26 de fev de 2014
 
 
 Editar Post
Quero o meu lábio lilás. Nossa sociedade é repleta de arco-íris, não o arco-íris símbolo da comunidade gay, mas das tantas cores que podem fazer parte de vários grupos sociais. De repente tudo Blue, é tudo de bom, Azul a cor mais quente, é o novo filme balado do cinema,em 2014, O Diabo veste prada é o filme que marca e remarca o mundo da moda, Vermelho como o céu, é um dos melhores filmes italianos, e as cores dando nomes a filmes, situações e intensidades. Quem nunca escutou falar da ciência das cores? A cromoterapia. As cores como um santo remédio para estudar, dormir, namorar, comer, vender. Elas estão sempre lá e cá, para revelar a personalidade ou o objetivo de alguma campanha. Nenhuma cor é escolhida no acaso e servem para influenciar quem as vê. Na escrita acadêmica escolhemos o preto para imprimir as longas páginas de uma dissertação ou tese. Nenhuma outra cor iria impor seriedade? É a cor que diz o teu grau de comprometimento? Fotos preto e branco são todas cult? Posso ser Cult com o tom sepsia? Quem vai determinar? Quem diz o “sim” no final? O noivo só diz sim, se a noiva estiver de branco? Qualquer outra cor é inovação e não demostra pureza? Qual a cor da pureza? Nós estamos dizendo sim o tempo inteiro para um padrão e mesmo quando o assunto são cores não a escolhemos e decidimos qual o melhor. Está inquietação começa de algo muito pequeno, na escolha de um batom para mulheres negras, o que vender para estas mulheres? Decido comprar batons nos tons; vinho, vermelho, coral, laranja, pink, e advinha? Estão cores ficam todas para trás, as caixas dos batons já estão todas desgastadas porque eu os levo para todos os lugares, numa tentativa muitas vezes frustrante de conseguir vender. As clientes exigem que compre mais tons nudes, marrons e cobre. Acabo sempre pedindo mais destas tonalidades, pois não consigo resistir a tentação de pagar a conta azul e verde no final do mês, mas a angústia continua. Na primeira aula que tive de maquiagem, o professor foi direto: “ Não se preocupem, teremos estes meses aula de maquiagem, com elaboração de muitas sombras e um dia especial para pele negra”. Não consigo resistir, um dia apenas? Quantas peles negras vocês conhecem? Quantos tons de pele negra você conhece? Quais os tamanhos de bocas de mulheres e homens negros? Qual a curvatura dos olhos dos negros? São todos iguais? Como um dia contempla tudo isso? Na aula de visagismo, no famoso centro de estética de São Paulo, temos uma disciplina para o rosto negro, apenas uma. Como podemos pensar nas cores para estes, se não temos quem elabore novos formatos? Não temos? Temos sim, há vários ganhos para comunidade negra, tudo Blue para nós. Combinamos com o branco, sem ser pai de santo ou técnico de enfermagem, com o Vermelho, sem ser Padilha ou gari, com o preto, sem ser Exú ou segurança de prédio , com o azul sem ser pedreiro, e com todas as cores que o arco-íris nos oferece. E combinamos com o tom vermelho, com o gloss extra-brliho e com uma boca lilás. As cores não pertencem a um grupo. A cor pertence a um corpo, porque cor é corpo, cor é atitude é personalidade. Vistam-se toda de azul e coloque um sapato amarelo e diga: Eu saí de casa para viver. Coloque uma maquiagem discreta nos olhos e um batom lilás e diga: Toda uma Deusa, quero todos os recantos e encantos para mim. Nada é permitido, nem o branco do médico, nem o cinza de advogado, nem o preto do presidente, nem o batom lilás, mas se tudo é cor, vamos aprender colorir. Elisia Santo
 
 
comentários Postar um comentário